Make your own free website on Tripod.com

TITO PUENTE

El Rey De Los Timbales”

 

 

Ernesto Antonio Puente Jr. nasceu em Nova York, a 20 de abril de 1923, filho de don Ernesto Puente, funcionário de uma fábrica de lâminas de barbear, e de dona Ercilia Ortiz, sendo oriundo do gueto latino do Bronx, e descendente direto de porto-riquenhos.

 

Depois de estudar piano e saxofone, atuou pela primeira vez no clube hispânico “La Perla Del Sur”, sendo a partir de 1940 que debuta em lugares de renome como o “Havana-Madrid”, “La Conga” e “Rio Bamba” em Nova York, tocando com vários grupos, entre os quais a orquestra de Johnny Rodríguez, passando posteriormente, e a tempo completo, à orquestra do pianista cubano Jose Curbelo, a quem Tito Puente sempre considerou como grande mentor e conselheiro.

 

O talento de Tito Puente como timbalero e baterista se deu a conhecer à partir de um concurso para músicos amadores, onde Puente executou com perfeição um solo original de Gene Krupa, na música “Sing Sing Sing”. Depois de ter passado pela orquestra de Curbelo, Puente ingressou na orquestra dos Afro-Cubans de Machito.

 

Vem a Segunda Guerra Mundial, e Puente ingressou na marinha americana. Enquanto servia no porta-aviões “USS Santee”, conheceu o piloto (e músico) Charlie Spivak, que lhe ensinou os fundamentos da arte de arranjar temas, adaptando ‘standards’ da música americana da época para a clave latina, tendo como sua grande influência o trabalho do maestro Stan Kenton.

 

Ao regressar a Nova York após a guerra, Puente resolveu aprofundar-se ainda mais na arte do arranjo musical, e mais, a tornar-se não apenas um músico solista, mas um band-leader completo. Matriculou-se na Juilliard School of Music, saindo de lá em 1947. Entre 1947 e 1948, Tito alternou seu trabalho entre as orquestras de Pupi Campos e Fernando Alvarez, tocando nos mais renomados cabarés latinos da cidade, entre os quais o prestigiado “El Copacabana”.

 

Em 1948, com a ajuda de Jose Curbelo e do empresário Federico Pagani, Tito Puente forma finalmente a sua orquestra, chamada originalmente de “The Picadilly Boys”. Em 1950, o nome do grupo muda para “Tito Puente Orchestra”. No mesmo ano, Tito grava o seu primeiro LP para a firma Seeco Records, chamado simplesmente “Mambos” e re-lançado posteriormente com o título “Tito Puente and Friends”.

 

 

O começo de seu sucesso coincide com a época áurea do Palladium Ballroom, onde Tito, junto com Tito Rodríguez, Perez Prado e Machito, ditaram cátedras de bons arranjos, orquestras afinadas, elegância e estilo no palco. A orquestra de Tito Puente, que conquistou o título de “El Rey De Los Timbales” ao exibir seus famosos solos, sendo aclamado por público e crítica, se caracterizou por ter em suas fileiras os melhores músicos de Nova York, tanto os de origem latina como os de origem judaica e anglo-saxônica. Também era a preferida dos jazzistas, dada a complexidade dos seus arranjos, contrapondo-se aos arranjos ‘pop’ de Perez Prado e ‘soneros’ de Tito Rodríguez.

 

 

Durante os anos 50, essa disputa de popularidade entre as orquestras despertou em cada um deles o melhor de si. Gravando para as firmas Tico e RCA, Puente emplacou mais de 30 discos, todos eles de grande sucesso. Tal fama o levou para o “Festival 100 Años De Música Cubana”, em Havana, 1957, sendo o único estrangeiro a participar do encontro, promovido pelo então governante cubano Fulgencio Batista. Essa viagem a Havana foi de uma importância fundamental para Puente. Seu encontro com o timbalero cubano Silvestre ShuegEl Choricero” redefiniu seus rumos como músico, ao acelerar ainda mais o ritmo, e tornando ainda mais sensacionais seus solos.

 

 

Seu primeiro vocalista foi o cubano Vicentico Valdés, que vinha de cantar no Septeto Nacional, e que chegara a Nova York em 1946. Seguiram-se então: Santos Colón, YayoEl Indio’, Chivirico Dávila, La Lupe, Noraida More, Frankie Figueroa, Camilo Azuquita, Frankie Morales e La Índia, além de ter acompanhado a Abbe Lane, Celia Cruz e Sophy.

 

 

Os anos 60 e 70 foram de grandes transformações na música latina. Saem as big-bands, que mesclavam o melhor da música dançante e do jazz, executado por músicos virtuosos, entram as agrupações menores, mais ágeis e tocadas por músicos que não dispunham de tanto conhecimento teórico. Cada um dos grandes mestres da época de ouro do mambo teve de buscar novos caminhos para sobreviver às febres da pachanga e do boogaloo, para finalmente adaptar-se à nova sonridade emergida nos bairros latinos de Nova York: A Salsa.

 

 

Anos difíceis aguardavam Tito Puente: de rei da música latina à ameaça de ser apenas uma lenda. A saída foi adaptar o som das big-bands às novas sonoridades (chegando a gravar inclusive um disco de Bossa Nova), e os timbales não eram especialmente solistas no boogaloo, cabendo aos congueros grande parte da fama e da liderança das orquestras (como Mongo Santamaría e Ray Barretto). A ‘salvação’ vem através da chegada à orquestra da vocalista La Lupe, na época a principal diva da música latina, que recuperou a popularidade perdida até então. No entanto, Puente gravou pouquíssimos boogaloos, voltando-se mais para o jazz e viajando extensivamente por vários países, especialmente México, Porto Rico e Venezuela.

 

Logo depois da saída de La Lupe da orquestra, devido à desentendimentos de ordem pessoal, Tito recrutou para o seu grupo aquela que seria a voz feminina que lhe daria o sucesso completo: Celia Cruz. Com Celia, Tito gravou vários discos de sucesso absoluto.

 

  

 

Nos anos 70, Tito seguiu sua carreira, gravando jazz e música latina para várias firmas, entre as quais a Tico, a Vaya (subsidiária da Fania) e a Latin Percussion, onde formou em 1977 a Latin Percussion All Stars, agrupação que daria origem mais tarde, em 1982, à Latin Ensemble de Tito Puente, com quem gravaria até 1995, através do selo jazzístico Concord Records. Concomitantemente, Tito estabeleceu contratos para gravar música latina para a Fania, e posteriormente para a firma RMM Records, sua última gravadora.

 

Com Celia Cruz e Hector Lavoe

 

Tito ganhou, em sua carreira, vários prêmios, e uma infinidade de discos de ouro e platina em diversos mercados. Ganhou seis Grammys, pelos discos “Homenaje a Beny More” (1978), “On Broadway” (1983), “Mambo Diablo” (1985), “Goza Mi Timbal” (1989), “Mambo Birdland” (1999) e “Masterpiece: Obra Maestra” (2000, em parceria com Eddie Palmieri). Participou nos filmes “A Era Do Rádio”, “Armado e Perigoso” e “Os Reis Do Mambo”. Seu nome figura na Calçada da Fama de Hollywood, e a 110th Street tem o nome Tito Puente Way, além de ter recebido diversos doutorados honoris causa por sua obra e importância para a música latina, criando a escola nova-iorquina de timbaleros, que influenciou a músicos como Willie Rosario e Louie Ramírez.

 

 

Tito Puente morreu em 31 de maio de 2001, em Nova York, durante uma cirurgia cardíaca, logo depois de um infarto sofrido em pleno ensaio de um concerto com a Orquestra Sinfônica de Porto Rico.

 

 

Discografia Completa, de 1950 a 2005:

 

1-.Tito Puente & Friends 1950 Tropical 5138

2-.Mambos 1952 Tico 101

3-.Mambos 1952 Tico 103

4-.Mambos 1952 Tico 107

5-.Mambos 1952 Tico 114



¨1950¨


6.- Mambos 1952 Tico 116

7.- Tito Puente - King of Mambo 1952 Tico 120

8.- Tito Puente at the Vibes 1952 Tico 124

9.- Tito Puente King of the "Chacha Mambo" 1954 Tico 128



¨1952¨


10.- Chacha 1954 Tico 130

11.- Mambos 1954 Tico 131

12.- Chacha 1955 Tico 134

13. Puente in Percusión 1955 Tico 1000



¨1956¨


14. Mamborama 1956 Tico 1001

15.- Mambo With Me 1956 Tico 1003

16.- Chacha For Lovers 1956 Tico 1005

17.- Dance the Chachachá 1956 Tico 1010

 



¨1958¨


18.- Chacha at El Morocco 1956 Tico 1025

19.- Cuban Carnaval 1956 RCA 1251

20.- Puente Goes Latin 1956 RCA 1312

21.- Mambo on Broadway 1956 RCA 1354

 



¨1958¨


22.- Let’s Chacha with Puente 1956 RCA 1392

23.- Night Beat 1957 RCA 1447

24.- Mucho Puente 1957 RCA 1479

25.- Be Mine Tonight - Abee Lane 1957 RCA 1554

26.- Puente Swings Vicentico Sings 1959 Tico 1049



¨1959¨


27.- Puente in Love 1957 Tico 1058

28.- Woody Herman’s Heat, Puente’s Beat 1958 Everest 5010

29.- Top Percussion 1958 RCA 1617

30.- Dance Mania 1958 RCA 1692

31.- Dancing Under Latin Skies 1959 RCA 1874



¨1962¨


32.- Mucho Chacha 1959| RCA 2113

33.- Puente at Rossingers 1959 RCA 2187

34.-
Tambo 1960 RCA 2257

35.- Pachanga in N.Y. with Rolando LaSerie 1961 Gema 1145

36.- Pachanga con Puente 1961 Tico 1083



¨1962¨


37.- Exciting Tito Puente in Hollywood 1961 GNP 70

38.- Vaya Puente 1962 Tico 1085

39.- El Rey Bravo 1962 Tico 1086

40.- Y Parece Bobo 1962 Alegre 842

41.- Bossa Nova by Puente 1962 Roulette 25193



¨1964¨


42.- Tito Perfect Combination with G. Monroig 1963 Alegre 853

43.- More Dance Mania 1963 RCA 7147

44.- Tito Puente in Puerto Rico 1963 Tico 1088

45.- Tito Puente Bailables 1963 Tico 1093

46.- Excitante Ritmo de Tito Puente 1963 Tico 1106



¨1965¨


47.- The World of Tito Puente 1963 Tico 1109

48.- Mucho Mucho Puente 1964 Tico 1115

49.- Mi para ti 1964 Tico1116

50.- The Best Monroig & Puente 1964 Tico 1117

51.- My Fair Lady goes Latin 1965 Roulette 25276



¨1969¨


52.- Puente Swings La Lupe 1965 Tico 1121

53.- Tu y Yo Tito Puente and La Lupe 1965 Tico 1125

54.- Carnaval in Harlem 1965 Tico 1127

55.- En su Momento con Celio Gonzáles 60s Teca LLS 555

56.-Descubrimiento de Puente & Noraída 60s Mili Latino 1050



¨1982¨


57.-Una Tarde: J.Fabrizzo & T. Puente 60s Rhino 501

58.- Llamada de Amor: Puente & Los Hispános 60s Musicor 3137

59.-
Cuba y Pto Rico Son: featuring Celia 1966 Tico 1130

60.- Homenaje a R. Hernández: La Lupe 1966 Tico 1131

61.-Stop and Listen featuring Santos Colón 1967 Tico 1147



¨1984¨


62.-Brasilia Nueve 1967 Decca 74910

63.-20th Anniversary of Tito Puente 1967 Tico 1151

64.- El Rey y Yo, with La Lupe 1967 Tico 1154

65.- What Now My Love, featuring S.Elliot 1967 Tico 1156

66.- Eras, featuring Manny Román 1967 Decca 4879

 



edic-17-51.gif (16405 bytes)
¨1987¨


67.- Invitation to Love, featuring Bobby Capó 1968 Misicore 4035

68.- El Rey Tito Puente 1968 Tico 1172

69.-
Puente on the Bridge 1969 Tico 1191

70.- Quimbo, Quimbumbia with Celia Cruz 1969 Tico 1193

71.- Con Orgullo, Tito Puente and Sophie 1969 Tico 1198



¨1991¨


72.- El Fantástico, featuring El Lupo 1969 Cotique 1028

73.- Etc,Etc,Etc, with Celia Cruz 1970 Tico 1207

74.- Santitos, featuring Santos Colón 1970 Fania 387

75.- El Sol Brilla para Todos con La Lloroncita 1970 Tico 1206

76.- Imágenes, featuring Santos Colón 1971 Tico 1213



¨1991¨


77.- Pa’ lante 1971 Tico 1214

78.- Alma Con Alma, featuring Celia Cruz 1971 Tico 1221

79.- Te Reto, featuring Sophie 1971 Tico 1222

80.- La Bárbara del Mundo con Noraida 1971 Tico 1223

81.- Me voy a Desquitar, featuring Zoraida 1971 Tico 1226


edic-17-52.gif (15823 bytes)
¨1992¨


82.- Celia Cruz & Tito Puente in Spain 1971 Tico 1227

83.- Pa’ los Rumberos 1972 Tico 1301

84.- Algo Especial Para Recordar & Celia Cruz 1972 Tico 1304

85.- The Many Moods of Tito Puente 1972 RCA 3012

86.- Meñique 1972 Cotique 1068




¨1992¨


87.- Tito Puente and Concert Orchestra 1973 Tico 1308

88.- Revolving Bandstand 1974 RCA 2299

89.- Tito Puente Unlimited 1974 Tico 1322

90.- La Leyenda 1978 Tico 1413

91.- Homenaje a Beny Moré (1er Grammy) 1978 Tico 1425



edic-17-14.jpg (3576 bytes)
¨1994¨


92.- La Pareja: T.P. and La Lupe 1978 Tico 1430

93.- Homenaje a Beny Moré - Vol. 2 1979 Tico 1436

94.- Dance Mania 80’s 1980 Tico 1439

95.- Cést Magnifique, with Azuquita 1981 Tico 1440

96.- On Broadway (2ndo Grammy) 1983 Concorde 207




¨1996¨


97.- El Rey 1984 Concorde 250

98.- Homenaje a Beny Moré - Vol. 3 & Celia 1985 Tico/Vaya 105

99.- Mambo Diablo (3er Grammy) 1985 Concorde 283

100.- Sensación 1986 Concorde 301

101.- Un Poco Loco 1987 Concorde 329

102.- Salsa Meets Jazz 1988 Concorde 354





¨1997¨


103.- Goza Mi Timbal (4to Grammy) 1989 Concorde 399

104.- Tito Puente Presents Milly P 1990 RMM 80375

105.- The Mambo King ( El N° 100) 1991 RMM 80680

106.- Out of this World 1991 Concorde 448

107.- Mambo of the Times 1992 Concorde 4499

108.- Live at the Village Gate 1992 Tropijazz/RMM80879

109.- Royal T 1993 Concorde 4553

110.- Master Timbalero 1994 Concorde 4594





¨1999¨


111.- Incission 1994 Tropijazz/RMM 81208

112.- Tito’s Idea 1995 Tropijazz/RMM 81571

113.- Jazzin :T.Puente & India + Count Basie Orch 1996 RMM 82032

114.- Special Delivery: T.Puente & M. Ferguson 1996 Concorde CD - 4732

115.- 50 Years of Swing [Boxset] 1997 RMM 82050

116.- Dance Mania 99: Live at Birdland 1998 RMD 82270

117.- Mambo Birdland (5to Grammy) 1999 RMM 02828 - 40472

118.-
Masterpiece: T.Puente/E. Palmieri 2000 RMM 02828 - 40332

 

 

Galeria de Fotos:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

(c) 2005 Bernardo Vieira da Silva Júnior.